Como apresentar uma ação judicial num tribunal? Devo recorrer a um advogado?

Nas causas em que não seja obrigatória a constituição de advogado, podem as próprias partes pleitear por si ou ser representadas por advogados estagiários ou por solicitadores.
É obrigatória a constituição de advogado:
a) Nas causas de competência de tribunais com alçada, em que seja admissível recurso ordinário;
b) Nas causas em que seja sempre admissível recurso, independentemente do valor;
c) Nos recursos e nas causas propostas nos tribunais superiores.
Ainda que seja obrigatória a constituição de advogado, os advogados estagiários, os solicitadores e as próprias partes podem fazer requerimentos em que se não levantem questões de direito.
Nas causas em que, não sendo obrigatória a constituição de advogado, as partes não tenham constituído mandatário judicial, a inquirição das testemunhas é efetuada pelo juiz, cabendo ainda a este adequar a tramitação processual às especificidades da situação.
As partes têm de se fazer representar por advogado, advogado, advogado estagiário ou solicitador nas execuções de valor superior à alçada do tribunal de 1.ª instância e têm de se fazer representar por advogado nas execuções de valor superior à alçada da Relação e nas de valor igual ou inferior a esta quantia, mas superior à alçada do tribunal de 1.ª instância, quando tenha lugar algum procedimento que siga os termos do processo declarativo.
 
Tratando-se de causa que não importe a constituição de mandatário, e a parte não esteja patrocinada, os atos processuais atrás referidos podem ser apresentados a juízo por uma das seguintes formas:
a) Entrega na secretaria judicial, valendo como data da prática do ato processual a da respetiva entrega;
b) Remessa pelo correio, sob registo, valendo como data da prática do ato processual a da efetivação do respetivo registo postal;
c) Envio através de telecópia, valendo como data da prática do ato processual a da expedição.
Vide, ainda, a ficha “Tratamento Informatizado”.
 
Nos atos judiciais usa-se a língua portuguesa.
Quando hajam de ser ouvidos, os estrangeiros podem, no entanto, exprimir-se em língua diferente, se não conhecerem a portuguesa, devendo nomear-se um intérprete, quando seja necessário, para, sob juramento de fidelidade, estabelecer a comunicação.
Quando se ofereçam documentos escritos em língua estrangeira que careçam de tradução, o juiz, oficiosamente ou a requerimento de alguma das partes, ordena que o apresentante a junte.
Nos Julgados de Paz, a causa pode ser apresentada verbalmente. Nesse caso, deve o funcionário reduzi-lo a escrito.
Os atos processuais que devam ser praticados por escrito pelas partes são apresentados a juízo por transmissão eletrónica de dados através do sistema informático Citius, no endereço eletrónico http://citius.tribunaisnet.mj.pt/, de acordo com os procedimentos e instruções daí constantes, valendo como data da prática do ato processual a da respetiva expedição.
A parte que pratique o ato processual por esta via deve apresentar por transmissão eletrónica de dados a peça processual e os documentos que a devam acompanhar, ficando dispensada de remeter os respetivos originais, salvo se o juiz o determinar, nos termos da lei de processo.
Sempre que se trate de causa que não importe a constituição de mandatário, e a parte não esteja patrocinada, vide resposta à pergunta anterior.
Relativamente aos procedimentos de injunção de pagamento, consulte a respetiva ficha informativa.
Veja, ainda, a ficha “Tratamento informatizado”.
 
Há impressos próprios para dar início aos procedimentos de injunção, processos executivos e processos que correm nos Julgados de Paz quando, neste último caso, não se tenha optado por apresentar a questão verbalmente.
Consulte, por favor, quanto a esta matéria, nesta página, as fichas sobre ”Procedimento de Injunção de Pagamento”, “Execução de decisões” e “Meios Alternativos de Resolução de Litígios”.
A ação declarativa é introduzida em juízo, através de petição inicial, na qual o autor deverá:
  • Designar o tribunal e respetivo juízo em que a ação é proposta e identificar as partes, indicando os seus nomes, domicílios ou sedes e, sempre que possível, números de identificação civil e de identificação fiscal, profissões e locais de trabalho;

  • Indicar o domicílio profissional do mandatário judicial

  • Indicar a forma o processo;

  • Expor os factos essenciais que constituem a causa de pedir e as razões de direito que servem de fundamento à ação;

  • Formular o pedido;

  • Declarar o valor da causa;

  • Designar o agente de execução incumbido de efetuar a citação ou o mandatário judicial responsável pela sua promoção.

No final da petição, o autor deve apresentar o rol de testemunhas e requerer outros meios de prova.
O autor deve juntar à petição inicial o documento comprovativo do prévio pagamento da taxa de justiça devida ou da concessão do benefício de apoio judiciário, na modalidade de dispensa do mesmo.
A secretaria recusa o recebimento da petição inicial, indicando por escrito o fundamento da rejeição, quando ocorrer algum dos seguintes factos:
  • Não tenha endereço ou esteja endereçada a outro tribunal, juízo do mesmo tribunal ou autoridade;

  • Omita a identificação das partes e dos elementos identificativos que dela devam obrigatoriamente constar (nomes, domicílios ou sedes e, sempre que possível, números de identificação civil e de identificação fiscal, profissões e locais de trabalho);

  • Não indique o domicílio profissional do mandatário judicial;

  • Não indique a forma do processo;

  • Omita a indicação do valor da causa;

  • Não tenha sido comprovado o prévio pagamento da taxa de justiça devida ou a concessão de apoio judiciário, exceto no caso legalmente previsto de citação urgente.

  • Não esteja assinada;

  • Não esteja redigida em língua portuguesa;

  • O papel utilizado não obedeça aos requisitos regulamentares.

Fique em casa. Opte pelos canais digitais (e-mail e app My CNAIM) e telefónicos (Linha de Apoio a Migrantes)

Linha de Apoio a Migrantes
808 257 257 (a partir da rede fixa)
21 810 61 91 (a partir de rede móvel e para quem efetua a ligação do estrangeiro)
 

Centro Nacional de Apoio à Integração de Migrantes (CNAIM)

Atendimento presencial condicionado. Evite deslocações desnecessárias. Opte pelas canais digitais (e-mail e app My CNAIM) e telefónicos (Linha de Apoio a Migrantes)

CNAIM Lisboa
Atendimento presencial apenas por marcação

Rua Álvaro Coutinho, 14
1150-025 Lisboa
Fax: 21 810 61 17
Websitewww.acm.gov.pt
E-mailcnaim.lisboa@acm.gov.pt

CNAIM Norte
Atendimento presencial apenas por marcação
Av. de França, 316
Edifício Capitólio
4050-276 Porto

Tel: 22 207 38 10
Fax: 22 207 38 17
E-mailcnaim.norte@acm.gov.pt

CNAIM Algarve
Atendimento presencial apenas por marcação
Loja do Cidadão
Mercado Municipal, 1.º Piso
Largo Dr. Francisco Sá Carneiro
8000-151 Faro
E-mailcnaim.algarve@acm.gov.pt

Avisos PO ISE: fundos.portugal2020@acm.gov.pt
Avisos FAMI: fundos.comunitarios@acm.gov.pt

Tabela do Plano de Desconfinamento também disponível em Árabe (ar)Bangla (bn)Francês (fr)Hindi (hi)Inglês (en)Mandarim (zh)Nepalês (ne)Romeno (ro) e Russo (ru).

Guia sobre o COVID-19 da Associação Médicos do Mundo Portugal:

Alemão (de)
. Árabe (ar)
Bengali (bn)
Espanhol (es)
Finlandês (fi)
Francês (fr)
Fula (ff)
Hebraico (he)
Hindi (hi) 
Inglês (en)
Italiano (it)
Japonês (ja)
Mandarim (zh)
Mandinga (man)
Neerlandês (nl)
Nepalês (ne)
Polaco (pl)
Português (pt)
Romeno (ro)
Russo (ru)
Sueco (sv)
Tigrínia (ti)
Turco (tr)
Ucraniano (uk)
Urdu (ur)

Folheto OIM sobre COVID-19, em mais de 30 idiomas.

Três documentos OIM sobre Covid-19 para migrantes, em vários idiomas.

As informações apresentadas são de caráter meramente indicativo, tendo como principal finalidade disponibilizar orientação genérica, sem qualquer propósito de exaustividade, não dispensando, em qualquer caso, a consulta junto das entidades competentes e o recurso a aconselhamento profissional no âmbito das temáticas que dela são objeto.

migrant-support-line

the-line-is-open-monday-to-fridayknow-more

Работает на Liferay

Fechar popup

Bem-vindo ao novo portal do Alto Comissariado para as Migrações

Procuramos reunir aqui um conjunto de informação essencial e de interesse para os migrantes. No entanto, sabemos que este é um trabalho contínuo que nunca está terminado.

Contamos consigo para tornar este site mais completo. Se souber de alguma informação que deva ser adicionada ou corrigida, entre em contacto connosco através do acm@acm.gov.pt.